"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" João 3:16. "

Descansa no Senhor, e espera nele; não te enfades por causa daquele que prospera em seu caminho, por causa do homem que executa maus desígnios. Salmos 37.7


02/01/2019

O Crente em Cristo tem medo da morte?

 "Como posso superar o medo da morte? Como posso parar de ter medo de morrer?"

Resposta: 
Até o crente mais devoto e seguro pode ter ocasiões em que teme a morte. É natural o desejo de evitar a morte. E a morte não era uma peça original do plano de Deus para a Sua criação. Fomos feitos para sermos santos e completos, vivendo no paraíso em comunhão com Ele. A introdução da morte foi uma resposta necessária para a admissão do pecado no mundo. É uma graça que nós morremos. Se não o fizéssemos, teríamos de viver em um mundo de pecado por toda a eternidade.

Esse conhecimento não necessariamente neutraliza a reação visceral ao pensamento de sua própria mortalidade. A fragilidade de nossos corpos físicos e exemplos da cessação súbita da vida são lembranças da nossa falta de controle em um mundo perigoso e grande. Temos uma grande esperança, que Aquele que está em nós é maior do que aquele que está no mundo (1 João 4:4) e que Ele foi preparar-nos um lugar para que possamos estar em Sua companhia (João 14:2). Mas talvez seja uma grande ajuda considerar certos fatos mais imediatos e práticos com os quais temos que lidar.

Existem vários aspectos da morte que podem potencialmente causar medo. Felizmente, Deus tem uma resposta para cada um deles.

O medo do desconhecido
Qual é exatamente a sensação de morrer? O que se pode ver quando a alma deixa o seu corpo físico? Como é que vai acontecer? É parecido com a forma que as pessoas têm relatado - uma luz brilhante? Um grupo de parentes?

Ninguém sabe ao certo como se sente, mas a Bíblia descreve o que acontece. 2 Coríntios 5:6-8 e Filipenses 1:23 dizem que quando deixamos o nosso corpo, estamos em casa com o Senhor. Que pensamento reconfortante! Vamos ficar neste estado até que Cristo venha e ressuscite os crentes (1 Coríntios 15:20-22, 6:14), quando receberemos um corpo glorificado e novo.

O medo da perda de controle
Quando os seres humanos finalmente atingem a idade adulta, eles têm uma boa ideia de como interagir com o mundo ao seu redor. Sabem como encontrar o que precisam, chegar aonde querem ir, e interagir com os outros de uma maneira que satisfaça a sua intenção.

Muitos, mesmo aqueles que professam fé em Deus, são tão temerosos de não conseguirem o que precisam que sentem a necessidade de manipular pessoas e seus arredores em seu benefício. Todos nós temos conhecido homens e mulheres que abusam e agarram por medo. Eles não confiam em Deus para prover por suas necessidades, por isso cuidam das próprias coisas com suas próprias mãos. Não confiam que outros lhes darão qualquer consideração, por isso exigem aquilo que acham que precisam.

Quanto mais devem temer a perda de controle sobre suas mortes! Como Jesus disse a Pedro, descrevendo como ele iria morrer: "Em verdade, em verdade te digo que, quando eras mais moço, tu te cingias a ti mesmo e andavas por onde querias; quando, porém, fores velho, estenderás as mãos, e outro te cingirá e te levará para onde não queres" (João 21:18). Antes de Pedro receber esse aviso, ele negou Jesus por medo. Mas depois que Jesus retornou ao céu, Pedro tornou-se uma nova pessoa - e uma cuja paixão pela mensagem de Cristo superou a sua necessidade de controlar o seu ambiente (Atos 5:17-42). Somente o Espírito Santo podia dar-lhe a força para enfrentar quaisquer desafios que tinha que enfrentar.

Medo por aqueles deixados para trás 
A visão cristã da morte é "separação". A morte definitiva é a separação de Deus. No momento da morte física, separaremo-nos de nossos entes queridos na Terra por um tempo. Se eles também forem cristãos, sabemos que a separação será breve em comparação com a eternidade. Se eles não forem cristãos, esse não será o caso. A nossa comissão, então, passa a ser utilizar este tempo juntos para conversar com eles sobre o seu destino eterno. Em última análise, a decisão cabe a eles. 

O medo do ato de morrer
Poucos de nós sabemos como vamos morrer. De forma rápida e indolor, em nosso sono, um longo processo devido a uma doença - o mistério e a incapacidade de se preparar podem ser assustadores. Mesmo se soubermos, talvez devido a um diagnóstico de uma doença terminal, isso ainda pode ser assustador.

Mas é apenas um momento. Um momento pelo qual quase todos já passaram ou vão passar. Os cristãos podem reivindicar Filipenses 3:20-21: "Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as coisas."

Para ajudar a amenizar o medo, você pode tomar medidas para preparar a si mesmo e aqueles ao seu redor para a morte.

Superando o medo da morte - Passos práticos
Muitas pessoas acreditam que não devem morrer porque têm muito para o qual viver. Muitas vezes, isso significa que eles têm responsabilidades e negócios inacabados que não seriam atendidos se não estivessem mais aqui. Mas ter responsabilidades não vai impedi-lo de morrer se o seu tempo chegou. Planejar com antecedência pode aliviar o medo.

Se você tiver um negócio ou filhos ou outros dependentes, considere os seus cuidados. Decida quem vai assumir o seu papel e faça um plano com essa pessoa. Escreva um testamento. Certifique-se de que todos os documentos necessários estão organizados e são fáceis de serem encontrados. Reconcilie relacionamentos quebrados antes de não poder mais. Mas não viva para morrer. Há uma diferença entre tomar medidas razoáveis e ser obcecado.

Superando o medo da morte - Passos físicos
Se você tiver opiniões fortes sobre o que quer que aconteça caso se torne incapacitado, expresse-as agora. É perfeitamente possível que durante o curso de uma doença ou lesão, você vai perder o controle da situação e ser incapaz de comunicar os seus desejos. Obtenha um testamento. Informe as pessoas mais próximas sobre os seus desejos - ou pelo menos diga-lhes onde está escrito. Escolha alguém de confiança para ser autorizado a tomar decisões a seu favor caso você se torne incapaz.

Superando o medo da morte - Passos espirituais
A coisa mais importante a lembrar sobre a morte é a verdade sobre a vida. Você ama a sua família e cuida deles, mas Deus os ama mais. Você pode se preocupar com o seu legado na terra, mas Deus se importa mais com uma perspectiva celestial. Toda a papelada do mundo não trará a paz de espírito de uma ação simples: permaneça em Cristo.

No processo de viver esta vida, é difícil ter em mente que ela é apenas uma condição temporária. 1 João 2:15-17 diz: "Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele; porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo. Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente." Podemos nos lembrar disso através de permanecer em Cristo (1 João 2:24). Meditar na verdade da Sua Palavra, crendo no que Ele diz sobre nós e o mundo que nos rodeia, nos dará a perspectiva correta em relação a esta vida e aquela que iremos receber.

Quando formos capazes de manter essa perspectiva eterna, vamos ser capazes de cumprir 1 João 3:1-3: "Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus; e, de fato, somos filhos de Deus. Por essa razão, o mundo não nos conhece, porquanto não o conheceu a ele mesmo. Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é. E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro." Vai ser tão evidente que não pertencemos a este mundo que os outros perceberão também. Tomaremos posse da nossa posição como filhos de Deus de tal forma que vamos buscar ativamente o dia no qual poderemos ser como Cristo e vê-Lo como Ele é.


Fonte:
https://www.gotquestions.org/Portugues/medo-da-morte.html

02/12/2018

ELA CORREU PARA JESUS



ELA CORREU PARA JESUS



Ora, certa mulher, que havia doze anos padecia de uma hemorragia, e que tinha sofrido bastante às mãos de muitos médicos, e despendido tudo quanto possuía sem nada aproveitar, antes indo a pior, tendo ouvido falar a respeito de Jesus, veio por detrás, entre a multidão, e tocou-lhe o manto; porque dizia: Se tão-somente tocar-lhe as vestes, ficaria curada. E imediatamente cessou a sua hemorragia; e sentiu no corpo estar já curada do seu mal. Marcos 5:25-29 

Muito se tem falado àcerca da mulher do fluxo de sangue. E nós vamos falar também. Não é demais falar dos exemplos de fé que estão encerrados na Palavra do Senhor. E esta mulher dá um grande testemunho de fé.
Esta mulher, depois de padecer durante muitos anos com uma doença sem cura, um dia alguém lhe falou  de Jesus.
·         Ela sofreu durante doze anos;
·         Gastou tudo quanto tinha com os médicos;
·         Os médicos não descobriram a doença dela;
·         Ouviu falar de Jesus;
·         Correu para Ele.

Ela sofreu durante doze anos

Certamente esta mulher sofria muito. Não só por causa da doença que tinha, mas porque estava muito desgastada psicologicamente. Ela via o tempo a passar e a sua doença sempre presente, sem sinais de cura. Estar doente anos a fio deve ser muito complicado. Para agravar a situação, a doença dela privava-a de conviver com outras pessoas, isto significa que ela para além de doente, estava também isolada da sociedade.  Viu também todas as suas economias gastas em médicos que não resolveram a sua situação. Diz a bíblia que ela gastou tudo quanto tinha. Uma vez li numa versão que ela gastou toda a sua fortuna. Bem, uma fortuna já implica grande quantidade de bens. Mas o mais grave aqui é que ela continuava doente.

Gastou tudo quanto tinha com os médicos

A bíblia diz que ela foi vista por muitos médicos. Cada vez que alguém lhe falava de um médico muito bom, com alguma fama, lá ia ela, na ânsia de encontrar quem a poderia ajudar. Quem sabe ela até viajou até outros lugares, para encontrar algum médico de fama. Mas tudo em vão. Por mais famosos que fossem esses médicos, nenhum deles encontrou a cura para essa doença que atormentava aquela mulher.
Foram doze anos de sofrimento, que para além da doença em si, se traduziram também em rejeição por parte da sociedade. Naquela época, toda a mulher no seu período menstrual, era considerada “imunda” e não podia ter contacto com ninguém, e nem ser vista movimentando-se pelas ruas. Era escorraçada, como se de um leproso se tratasse. Portanto esta mulher vivia num sofrimento atroz, doente, rejeitada pela sociedade, e quem sabe, se até da própria família.
Mas ela foi à luta. Não se deixou intimidar pela doença, nem pela perseguição. Ela estava muito fraca, não é difícil perceber isso, porque ela estava com perda de sangue permanente, havia doze anos. As suas forças não deviam ser muitas, mas ela teve forças para correr até Jesus.

Ouviu falar de Jesus

Alguém lhe falou de Jesus.
Disseram para ela que havia um homem que andava por ali perto, e que curava as pessoas.
Ela nem olhou para trás.
Se eu já fui a tantos médicos - disse ela – e nenhum deles me curou, eu vou falar com esse homem.

Correu para Ele

Decidida. Mas o que ela não contava era que Jesus arrastava uma multidão atrás de si, e era quase impossível falar com Ele. Ela estava muito fraca, não podia andar muito, também não podia ser detectada por ninguém que a conhecesse, por causa da sua “imundície”. Corria então muitos riscos. Mas ela não tinha nada a perder, já que estava ali, ela tinha que falar com Jesus. Decidiu então que entraria naquela multidão para ir até Jesus.
Depois de já estar metida na multidão, ela teve que “furar” entre as pessoas. Onde arranjaria forças? Então foi, começou a “furar” e, na ansiedade de chegar perto de Jesus, vendo que as dificuldades eram tantas, ela exclamou:  vrs 28 “Se tão-somente tocar nos seus vestidos, sararei”. Esta foi uma declaração de fé e de vitória.
As palavras que falamos são muito importantes. Se declaramos derrota, já estamos à partida derrotados, mas se declaramos vitória, e fé, vamos alcançar o que ansiamos. A bíblia diz que a nossa boca produz bênção e maldição, mas aconselha a que se não faça assim. (Tiago 3:10  Da mesma boca procede bênção e maldição. Não convém, meus irmãos, que se faça assim).
Ao tocar nas vestes de Jesus, imediatamente a sua hemorragia cessou. Cumpriu-se o que tinha declarado com a sua própria boca. Acabou ali o seu sofrimento. Ela nem chegou a falar com Jesus. Depois, quando Jesus quis conhecê-la para lhe dar os “parabéns” pela sua fé e persistência, ela se prostrou diante dele, confessando que tinha tocado suas vestes.
Pela fé, Jesus entrou na vida desta mulher. Ele estava ali com ela, mas ela precisou ter fé para receber de Deus o que precisava. Jesus curou-a por causa da sua fé.
Podemos aprender muita coisa com esta mulher, mas a mim muito especialmente me toca o facto de que ela nunca desistiu. Doze anos de luta, de desilusões, cada vez que ia a um médico se enchia de esperanças, mas tudo em vão. Deve ter tido muitas depressões, só o facto de não poder sair de casa nem falar com ninguém, era suficiente para uma vida amargurada. Mas não desistiu.  Perdeu  tudo quanto tinha,  todas as suas economias, quem sabe até se ela se endividou, mas nunca desistiu. Ela não deixou “cair” os braços, dizendo se não tenho cura, paciência, não, ela continuou a lutar e quando alguém lhe falava de algum médico lá ia ela.
Havia então um médico muito perto dela e que foi a solução para a sua doença. Mas Jesus não é um médico somente, porque um médico apenas detecta a doença e passa medicamentos, mas Jesus, ele detecta a doença e cura na hora. E fá-lo ainda hoje. Qualquer doença não é segredo para Ele. Fala-se muito de “cancro”, de “sida”, de doenças raras, mas para todas as doenças Jesus tem a cura. Jesus é cura, é saúde, é vida. 
Esta mulher foi ao sítio certo.



18/07/2017

Baptismo com o Espírito Santo

 - ESPÍRITO SANTO -
Línguas Estranhas como evidência inicial do batismo com o ESPÍRITO SANTO
     http://www.armazemnadia.com.br/henrique/orarnoespíritosanto.htm
 
 
Texto Áureo:
“E todos foram cheios do ESPÍRITO SANTO e começaram a falar em outras línguas, conforme o ESPÍRITO SANTO lhes concedia que falassem” (At 2.4)
2.4 CHEIOS DO ESPÍRITO SANTO. Qual é o significado da plenitude do ESPÍRITO SANTO recebida no dia de Pentecoste? 
(1) Significou o início do cumprimento da promessa de Deus em Jl 2.28,29, de derramar seu Espírito sobre todo o seu povo nos tempos do fim (cf. 1.4,5; Mt 3.11; Lc 24.49; Jo 1.33; ver Jl 2.28,29). 
(2) Posto que os últimos dias desta era já começaram (v. 17; cf. Hb 1.2; 1 Pe 1.20), todos agora se vêem ante a decisão de se arrependerem e de crerem em Cristo (3.19; Mt 3.2; Lc 13.3; ver At 2.17). 
(3) Os discípulos foram do alto... revestidos de poder (Lc 24.49; cf. At 1.8), que os capacitou a testemunhar de Cristo, a produzir nos perdidos grande convicção no tocante ao pecado, à justiça, e ao julgamento divino, e a desviá-los do pecado para a salvação em Cristo (cf. 1.8 notas; 4.13,33; 6.8; Rm 15.19; ver Jo 16.8). 
(4) O ESPÍRITO SANTO já revelou sua natureza como aquele que anseia e pugna pela salvação de pessoas de todas as nações e aqueles que receberam o batismo no ESPÍRITO SANTO ficaram cheios do mesmo anseio pela salvação da raça humana (vv. 38-40; 4.12,33; Rm 9.1-3; 10.1). O Pentecoste é o início das missões mundiais (1.8; 2.6-11,39). 
(5) Os discípulos se tornaram ministros do Espírito. Não somente pregavam Jesus crucificado e ressuscitado, levando outras pessoas ao arrependimento e à fé em Cristo, como também influenciavam essas pessoas a receber o dom do ESPÍRITO SANTO (vv. 38,39) que eles mesmos tinham recebido no Pentecoste (v. 4). Levar outros ao batismo no ESPÍRITO SANTO é a chave da obra apostólica no NT (ver 8.17; 9.17,18; 10.44-46; 19.6). 
(6) Mediante este batismo no Espírito, os seguidores de Cristo tornaram-se continuadores do seu ministério terreno. Continuaram a fazer e a ensinar, no poder do ESPÍRITO SANTO, as mesmas coisas que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar (1.1; Jo 14.12)
 
Verdade Prática:
O falar em outras línguas é um sinal da parte de Deus aos homens para evidenciar o batismo com o ESPÍRITO SANTO.
Por que DEUS falaria conosco em uma língua desconhecida? Qual o proveito?
DEUS, quando fala conosco em uma língua que não entendemos está querendo que saibamos que ELE está conosco, que ELE está querendo nos abençoar, que ELE quer se comunicar conosco.
 
Leitura Diária:
Segunda  At 2.4 As línguas estranhas são concedidas pelo ESPÍRITO SANTO
E todos foram cheios do ESPÍRITO SANTO e começaram a falar em outras línguas, conforme o ESPÍRITO SANTO lhes concedia que falassem.
JESUS é quem nos batiza para que fiquemos mais íntimos D'Ele e possamos ter maior comunhão com DEUS, sabendo e conhecendo sua vontade que é ganhar as almas.
Vide acima em Texto Áureo
 
Terça  At 2.6,11 As línguas estranhas são uma manifestação sobrenatural
6 E, correndo aquela voz, ajuntou-se uma multidão e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua  própria língua. 7 E todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Pois quê! Não são galileus todos esses homens que estão falando? 8 Como pois os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos? 9 Partos e medos, elamitas e os que habitam na Mesopotâmia, e Judéia, e Capadócia, e Ponto, e Ásia,
***
11 e cretenses, e árabes, todos os temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus.  
 Os apóstolos jamais aprenderam todas aquelas línguas, pois eram homens iletrados, ou seja, sem muito estudo,homens simples do povo, mas estavam cheios de alguém que sabe todas as línguas do mundo, alguém que é campeão em comunicação, o ESPÍRITO SANTO.
 
Quarta At 2.7-13 O falar em línguas estranhas causou admiração e zombaria
7 E todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Pois quê! Não são galileus todos esses  homens que estão falando? 8 Como pois os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos? 9 Partos e medos, elamitas e os que habitam na Mesopotâmia, e Judéia, e Capadócia, e Ponto, e Ásia, 10 e Frígia, e Panfília, Egito e partes da Líbia, junto a Cirene, e forasteiros romanos (tanto judeus como  prosélitos), 11 e cretenses, e árabes, todos os temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus. 12 E todos se maravilhavam e estavam suspensos, dizendo uns para os outros: Que quer isto dizer? 13 E outros, zombando, diziam: Estão cheios de mosto.2.13 MOSTO. Mosto (gr. gleukos) normalmente se refere ao suco de uva não fermentado. Aqueles que zombavam dos discípulos talvez hajam empregado este termo, ao invés da palavra mais comum no NT para vinho (oinos), porque sabiam que os discípulos de Jesus usavam somente este tipo de vinho doce, não fermentado. Neste caso, sua zombaria teria sido sarcástica.
 
Quinta 1 Co 14.22 Um sinal para os infiéis
22 De sorte que as línguas são um sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; e a profecia não é sinal para os infiéis, mas para os fiéis.14.22 AS LÍNGUAS SÃO UM SINAL. As línguas dentro da congregação tornam-se um sinal negativo para os incrédulos, porque os convencem que estão separados de Deus e portanto não podem compreender o que está acontecendo (vv. 21,23). A profecia é também um sinal para o crente, pois este reconhece que se trata de uma obra sobrenatural do ESPÍRITO SANTO e uma prova de que Deus está operando na igreja (vv. 24-25). As línguas como um sinal para o crente indica que o ESPÍRITO SANTO está sendo derramado (cf. At 10.44-46; 11.15-17) e manifestado entre o povo de Deus (cf. 12.7,10).
 
Sexta At 10.45,46;19.6 A evidência do batismo com o ESPÍRITO SANTO
10.45 E os fiéis que eram da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do ESPÍRITO SANTO se derramasse também sobre os gentios. 46Porque os ouviam falar em línguas e magnificar a Deus.
CAIU O ESPÍRITO SANTO SOBRE TODOS. A família gentia de Cornélio ouve e recebe a Palavra com fé salvadora (vv. 34-48; 11.14). (1) Deus imediatamente derrama sobre ela o ESPÍRITO SANTO (v. 44) como seu testemunho de que creram e receberam a vida regeneradora de Cristo (cf. 11.17; 15.8,9). (2) A vinda do ESPÍRITO SANTO sobre a família de Cornélio teve o mesmo propósito que o dom do ESPÍRITO SANTO para os discípulos no dia de Pentecoste (cf. 1.8; 2.4). Esse derramamento do Espírito não é a obra de Deus na regeneração do pecador, mas sua vinda sobre eles para revesti-los de poder. Note as palavras de Pedro posteriormente, ressaltando a semelhança entre essa experiência e a do dia de Pentecoste (11.15,17). (3) Evidentemente, é possível uma pessoa ser batizada no Espírito imediatamente depois de receber a salvação (ver v. 46; cf. 11.17).
10.46 OS OUVIAM FALAR EM LÍNGUAS. Pedro e os que o acompanhavam consideravam o falar em línguas, mediante o Espírito, como o sinal convincente do
batismo no ESPÍRITO SANTO. Isto é, assim como Deus confirmou o acontecimento do dia de Pentecoste com o sinal das línguas (2.4), Ele faz os gentios no lar de
Cornélio falarem em línguas como sinal convincente para Pedro e os demais crentes judeus. 
 
19.6 E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o ESPÍRITO SANTO; e falavam línguas e profetizavam.VEIO SOBRE ELES O ESPÍRITO SANTO. Esse evento ocorre cerca de 25 anos depois do primeiro Pentecoste (2.4); mesmo assim, o padrão do recebimento por esses doze homens da plenitude do ESPÍRITO SANTO está conforme o modelo normal já apresentado por Lucas (ver 8.5-24 nota). (1) Tinham crido em Jesus e tinham nascido de novo pelo Espírito (ver a nota anterior). (2) Depois de terem sido batizados em água (v. 5), Paulo impôs sobre eles as mãos, e foram batizados no ESPÍRITO SANTO. (3) Quando o ESPÍRITO SANTO veio sobre eles, começaram a falar noutras línguas e a profetizar. Lucas nunca apresenta o derramamento do ESPÍRITO SANTO como algo que se possa perceber somente pela fé. Pelo contrário, mostra que é uma experiência identificável e que pode ser comprovada objetivamente; falar em línguas era a comprovação externa e visível que o ESPÍRITO SANTO viera sobre esses seguidores de Jesus.
 
Sábado 1 Co 14.5 Paulo almejava que os irmãos de Corinto falassem em línguas estranhas
5 E eu quero que todos vós faleis línguas estranhas; mas muito mais que profetizeis, porque o que profetiza é maior do que o que fala línguas estranhas, a não ser que também interprete, para que a igreja receba edificação.

14.5 EU QUERO QUE TODOS VÓS FALEIS LÍNGUAS. O desejo de Paulo refere-se aqui ao falar em línguas a Deus nos momentos de devoção particular. Fica claro que línguas assim, têm valor para a adoração e oração pessoais do cristão individualmente (vv. 2,4). Paulo acrescenta que as línguas autênticas, acompanhadas de interpretação na assembléia, edificam a igreja, da mesma maneira que a profecia. Falar em línguas no culto, sem a interpretação, não contribui, em nada para a edificação da igreja (vv. 7-9).
 
Leitura Bíblica Em Classe: ATOS 10.38-48; 11.15
10.38como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o ESPÍRITO SANTO e com virtude; o qual andou fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele.39E nós somos testemunhas de todas as coisas que fez, tanto na terra da Judéia como em Jerusalém; ao qual mataram, pendurando-o num madeiro.40A este ressuscitou Deus ao terceiro dia e fez que se manifestasse,41não a todo o povo, mas às testemunhas que Deus antes ordenara; a nós que comemos e bebemos juntamente com ele, depois que ressuscitou dos mortos.42E nos mandou pregar ao povo e testificar que ele é o que por Deus foi constituído juiz dos vivos e dos mortos.43A este dão testemunho todos os profetas, de que todos os que nele crêem receberão o perdão dos pecados pelo seu nome.44E, dizendo Pedro ainda estas palavras, caiu o ESPÍRITO SANTO sobre todos os que ouviam a palavra.45E os fiéis que eram da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do ESPÍRITO SANTO se derramasse também sobre os gentios.46Porque os ouviam falar em línguas e magnificar a Deus.47Respondeu, então, Pedro: Pode alguém, porventura, recusar a água, para que não sejam batizados estes que também receberam, como nós, o ESPÍRITO SANTO?48E mandou que fossem batizados em nome do Senhor. Então, rogaram-lhe que ficasse com eles por alguns dias.
11.15 E, quando comecei a falar, caiu sobre eles o ESPÍRITO SANTO, como também sobre nós ao princípio.
11.15 CAIU SOBRE ELES O ESPÍRITO SANTO, COMO TAMBÉM SOBRE NÓS AO PRINCÍPIO. O derramamento do ESPÍRITO SANTO no dia de Pentecoste (2.4) foi um padrão para o recebimento do Espírito, a partir de então. O batismo no Espírito seria determinado pela transformação visível ocorrida no indivíduo pela infusão da alegria por expressões vocais sobrenaturalmente inspiradas e pela ousadia no testemunho (2.4; 4.31; 8.15-19; 10.45-47; 19.6). Por isso, quando Pedro salientou diante dos apóstolos e irmãos em Jerusalém que os familiares de Cornélio tinham falado em línguas, ao ser derramado sobre eles o ESPÍRITO SANTO (cf. 10.45-46), ficaram convictos de que Deus estava concedendo aos gentios a salvação em Cristo (v. 18). Não se pode hoje dizer que alguém recebeu o batismo no Espírito se as manifestações físicas, tais como o falar em línguas, estão ausentes. Em nenhuma parte de Atos, o batismo no ESPÍRITO SANTO aparece como uma experiência percebida somente pela fé (ver 8.12,16 notas; 19.6)
 
Objetivos:  Após esta aula, seu aluno deverá estar apto a:
1- Descrever a evidência do batismo.
2- Indicar os lugares onde os crentes receberam o ESPÍRITO SANTO no começo.
3- Descrever as funções do falar em outras línguas.
 
Comentários:  INTRODUÇÃO
Nesta lição, veremos que o falar em línguas estranhas não foi somente um milagre isolado que aconteceu naquele dia histórico, mas que continua sendo a evidência do recebimento desta dádiva de Deus, conforme mostra a sua Palavra.
    Como o ex-mágico sabia que aquelas pessoas tinham recebido o batismo com o ESPÍRITO SANTO? At 8.17 Então lhes impuseram as mãos, e eles receberam o ESPÍRITO SANTO.18 Quando Simão viu que pela imposição das mãos dos apóstolos se dava o ESPÍRITO SANTO, ofereceu-lhes dinheiro,***como os judeus que estavam com Pedro souberam que aqueles irmãos haviam sido batizados? Porque os ouvia falar em línguas = At 10.44 Enquanto Pedro ainda dizia estas coisas, desceu o ESPÍRITO SANTO sobre todos os que ouviam a palavra.45 Os crentes que eram de circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que também sobre os gentios se derramasse o dom do ESPÍRITO SANTO;46 porque os ouviam falar línguas e magnificar a Deus.***O que aconteceu quando Paulo impôs as mãos sobre os discípulos de Éfeso? At 19.6 Havendo-lhes Paulo imposto as mãos, veio sobre eles o ESPÍRITO SANTO, e falavam em línguas e profetizavam.
 
I. FALAR EM OUTRAS LÍNGUAS É SEMPRE A EVIDÊNCIA INICIAL DO BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO
Biblicamente não temos exemplo de crentes que receberam o batismo com o ESPÍRITO SANTO e não falaram em línguas, creio que o crente pode aperfeiçoar o fruto do ESPÍRITO em sua vida de santificação e comunhão com DEUS, porém o batismo com o ESPÍRITO SANTO é uma bênção especial para crente onde DEUS visa a evangelização dos povos e a edificação do próprio crente.
 
1 . Alegria. 
At 13.52 Os discípulos, porém, estavam cheios de alegria e do ESPÍRITO SANTO.
Sl 45.7 Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de alegria, mais do que a teus companheiros.
A alegria proporcionada pelo ESPÍRITO SANTO não é uma alegria descritível e nem conquistável humanamente, mas algo que trás paz interior, felicidade e regozijo. Existem cultos que começam a pegar fogo e viram a noite com os crentes dando gargalhadas de alegria no ESPÍRITO SANTO. Tudo isso é verdade, mas não prova biblicamente que a alegria é um sinal de evidência do batismo com o ESPÍRITO SANTO.
 
2. Amor. 
Em Babel DEUS separou os povos por causa do pecado, mas em pentecostes DEUS uniu vários povos na Igreja, através do sacrifício de JESUS CRISTO pelos pecados de todos nós, pela união com ESPÍRITO SANTO. O ESPÍRITO SANTO age com muito amor, veja 1 Co 13 e você entenderá que só com amor é que os dons fluem através do crente cheio do ESPÍRITO SANTO.
Tudo isso é verdade, mas não prova biblicamente que a amor é um sinal de evidência do batismo com o ESPÍRITO SANTO.
 
3. Maior compreensão da Palavra de Deus.
2 Tm 3.16 Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça;
Lc 12.12 Porque o ESPÍRITO SANTO vos ensinará na mesma hora o que deveis dizer.
Jo 14.26 Mas o Ajudador, o ESPÍRITO SANTO a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto eu vos tenho dito.
O ESPÍRITO SANTO é o revelador e o ensinador da Palavra de DEUS, como é fácil aprender com quem inspirou os que escreveram!
Tudo isso é verdade, mas não prova biblicamente que a  Maior compreensão da Palavra de Deus é um sinal de evidência do batismo com o ESPÍRITO SANTO.
 
4. Zelo para ganhar almas para Jesus.
Lc 24.49 E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai porém, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder.
At 1.8 Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o ESPÍRITO SANTO, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra.
O Principal objetivo do batismo com o ESPÍRITO SANTO é a evangelização, pois o batismo é o revestimento de poder para que o crente possa ganhar almas , seria como equipar um soldado com armas para que pudesse lutar. Logo após o batismo o crente recebe dons do ESPÍRITO SANTO, os quais dividimos para estudar em: Dons de revelação, Dons de poder e Dons de inspiração. (são nove 1Co 12 = veja mais emhttp://www.armazemnadia.com.br/henrique/Dons%20do%20Espirito%20Santo.HTM ) Os dons seriam o equipamento mais sofisticado e moderno, maior poder de fogo para o soldado vencer forças inimigas maiores e mais bem equipadas.
Tudo isso é verdade, mas não prova biblicamente que é 
Zelo para ganhar almas para Jesus é um sinal de evidência do batismo com o ESPÍRITO SANTO. 
II. REGISTROS NO LIVRO DE ATOS
É em atos dos Apóstolos que o ESPÍRITO SANTO assume o controle da Igreja e a guia ao mestre JESUS CRISTO que exerce poder a autoridade sobre a mesma, vencendo as batalhas que se apresentam e arrebatando almas das mãos do inimigo. Este livro deveria se chamar Atos De JESUS CRISTO através do ESPÍRITO SANTO que reside em seus discípulos, ou O Evangelho do ESPÍRITO SANTO. JESUS começou a fazer e a ensinar aos apóstolos o que deveriam saber para desenvolverem a IGREJA D'Ele na terra, isso está registrado nos evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João, mas em Atos JESUS continuou a fazer e a ensiná-los na prática através do ESPÍRITO SANTO e até hoje está fazendo isto conosco que agora somos seus discípulos. Quando JESUS estava aqui só existia um filho de DEUS na terra fazendo maravilhas, curando enfermos e pregando o evangelho, hoje são milhões de filhos de DEUS marchando num grande exército rumo ao céu, levando as almas juntas. O livro não teve fim ainda, pois a Igreja continua fazendo a obra de DEUS cheia do ESPÍRITO SANTO até a vinda de JESUS CRISTO para nos buscar.

1. Em Samaria.
At 8.14 Os apóstolos, pois, que estavam em Jerusalém, tendo ouvido que os da Samaria haviam recebido a palavra de Deus, enviaram-lhes Pedro e João;15 os quais, tendo descido, oraram por eles, para que recebessem o ESPÍRITO SANTO.16 Porque sobre nenhum deles havia ele descido ainda; mas somente tinham sido batizados em nome do Senhor Jesus.17 Então lhes impuseram as mãos, e eles receberam o ESPÍRITO SANTO.
Os apóstolos Pedro e João foram enviados para Samaria porque os novos convertidos não tinham ainda recebido o batismo com o ESPÍRITO SANTO, assim que chegaram ensinaram sobre o  ESPÍRITO SANTO e impuseram as mãos sobre aqueles que haviam crido e todos receberam o maravilhoso batismo com o  ESPÍRITO SANTO.

2. Saulo.
At 9.17 Partiu Ananias e entrou na casa e, impondo-lhe as mãos, disse: Irmão Saulo, o Senhor Jesus, que te apareceu no caminho por onde vinhas, enviou-me para que tornes a ver e sejas cheio do ESPÍRITO SANTO.
At 13.9 Todavia Saulo, também chamado Paulo, cheio do ESPÍRITO SANTO, fitando os olhos nele,
Cremos que quando Ananias impôs as mãos sobre Paulo, este recebeu o batismo com  ESPÍRITO SANTO, como é padrão no livro de Atos (toda vez que se diz cheio do ESPÍRITO SANTO, é porque falaram em línguas).

3. Na casa de Cornélio. 
At 10.44 Enquanto Pedro ainda dizia estas coisas, desceu o ESPÍRITO SANTO sobre todos os que ouviam a palavra.45 Os crentes que eram de circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que também sobre os gentios se derramasse o dom do ESPÍRITO SANTO;46 porque os ouviam falar línguas e magnificar a Deus.
Cornélio e seus parentes e amigos só agüentaram ouvir a pregação de Pedro até ao ponto em que Pedro citou o  ESPÍRITO SANTO, certamente Pedro pregava e falava em línguas, pois era homem cheio do  ESPÍRITO SANTO, sendo que quem está cheio transborda; foi aí que Cornélio e seus parentes e amigo também receberam o batismo com o  ESPÍRITO SANTO. Os judeus que Pedro levou com ele de Jope para testemunharem de sua entrada em casa de gentios quando ouviram e viram que os gentios também recebiam o batismo com o  ESPÍRITO SANTO se maravilharam porque ouviam que aqueles também falavam em línguas como eles.

4. Em Éfeso. 
At 19.4 Mas Paulo respondeu: João administrou o batismo do arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que após ele havia de vir, isto é, em Jesus.5 Quando ouviram isso, foram batizados em nome do Senhor Jesus.6 Havendo-lhes Paulo imposto as mãos, veio sobre eles o ESPÍRITO SANTO, e falavam em línguas e profetizavam.7 E eram ao todo uns doze homens.Na pregação de Paulo aos discípulos que se converteram através da pregação de Apolo e que nunca tinham nem ouvido falar sobre o  ESPÍRITO SANTO, Paulo certamente lhes expôs o batismo com o  ESPÍRITO SANTO e também creio que Paulo falava em línguas quando pregava, pois era homem cheio do ESPÍRITO SANTO e transbordava com facilidade; então aqueles 12 irmãos também receberam pela imposição de mãos o batismo com o  ESPÍRITO SANTO, logo após serem batizados nas águas, pois o batismo de João, no qual haviam sido batizados era para arrependimento de pecados e espera da vinda do MEssias e não era feito em nome de JESUS e nem na fórmula correta como ensinou JESUS: Em nome do PAI, do FILHO e do ESPÍRITO SANTO.

III. QUAL A FINALIDADE DAS LÍNGUAS ESTRANHAS?

1. A língua estranha é uma fala dirigida a Deus.
1 Co 14.2 Porque o que fala língua estranha não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala de mistérios.NÃO FALA AOS HOMENS, SENÃO A DEUS. Entendemos que este versículo mostra que a finalidade principal das línguas, quer na igreja, quer em particular, é falar primeiramente com Deus, e não aos homens (v. 2). Quando as línguas são dirigidas a Deus, envolvem a comunicação com Ele mediante o ESPÍRITO SANTO, e podem tomar a forma de oração, de louvor, de cânticos, de invocação de bênçãos e de ação de graças. O que se fala em línguas são "mistérios", i.e., coisas incompreensíveis a quem fala e aos ouvintes (cf. vv. 2.13-17). A interpretação da expressão vocal (vv. 5,13) em línguas, permite a congregação participar dessa manifestação de adoração dirigida pelo Espírito e, assim, ela poderá dizer "amém" (v.16) à oração ou ao louvor inspirados pelo Espírito (v. 16; ver também v.6). 

2. O que fala em língua estranha edifica-se a si mesmo (1 Co 14.4; Jd 20).
Jd 1.20 Mas vós, amados, edificando-vos a vós mesmos sobre a vossa santíssima fé, orando no ESPÍRITO SANTO,
Orar no ESPÍRITO SANTO é orar em línguas, na linguagem que nos foi concedida no batismo com o ESPÍRITO SANTO. Nunca devemos pensar que orar no ESPÍRITO SANTO é orar em pensamento, isto não concorda com nenhum ensino bíblico, orar é falar com DEUS de preferência em Sua própria linguagem, pois não sabemos pedir como convém, mas o ESPÍRITO SANTO intercede por nós até com gemidos inexprimíveis e ELE ora bem, de acordo com a vontade de DEUS. (Rm 8.26)
8.26 O ESPÍRITO... INTERCEDE POR NÓS COM GEMIDOS. No tocante à atividade do ESPÍRITO SANTO em ajudar o crente a orar, três observações são importantes:
(1) O filho de Deus tem dois intercessores divinos. Cristo intercede no céu pelo crente, perante a face do Pai (v. 34; ver Hb 7.25 nota; 9.24; 1 Jo 2.1) e o ESPÍRITO SANTO intercede no íntimo do crente, na terra .
(2) "Com gemidos", provavelmente, indica que o Espírito intercede juntamente com os gemidos do crente. Esses gemidos têm lugar no coração do crente.
(3) Os desejos e anseios espirituais dos crentes têm sua origem no ESPÍRITO SANTO, que habita em nosso coração. O próprio Espírito suspira, geme e sofre dentro de nós, ansiando pelo dia final da redenção (vv. 23-25). Ele apela ao Pai em favor das nossas necessidades "segundo [a vontade de] Deus" (v. 27)


CONCLUSÃO:
Resumo: 
    Falar em línguas espirituais, isto é, línguas recebidas diretamente de DEUS, é sinal externo do Batismo no ESPÍRITO SANTO (At 19.7), nem todos o recebem pois só se recebe pela fé, através da graça de DEUS, não é um Dom do ESPÍRITO SANTO, pois o Dom é de variedade de Línguas (falar em várias línguas, o que não acontece com todos - 1 Co 12.30); o que fala em línguas como Dom é menor do que o que profetiza (1 Co 14.5);
    Não se deve ensinar falando em línguas, pois os ouvintes precisam entender o que se está falando, a não ser que haja a manifestação do Dom de Interpretação de Línguas (1 Co 14.6);
    Nunca deve ser proibido o falar em Línguas (1 Co 14.39); quem ora em línguas edifica-se a si mesmo e isso é muito importante (1 Co 14.4; Jd 1.20).
    Existe o falar em línguas pelo Diabo e até pela loucura, ou pelo aprender com outros ou através de livros, mas isso tudo não passa de coisas humanas, não tendo nada a haver com a manifestação sobrenatural de DEUS no crente.
    Um crente, desde que esteja com a vida em desarmonia com o ESPÍRITO SANTO, pode ser usado pelo Diabo para falar em línguas que não são de DEUS.
    Os católicos tiveram uma grande chance de conhecerem a verdade do evangelho quando iniciaram o movimento Carismático no Brasil, tendo alguns deles recebido o Batismo no ESPÍRITO SANTO naquela época, deixando a idolatria e fazendo cultos separados dos demais, mas infelizmente, com a infiltração dos padres no meio do Movimento, a maioria voltou à idolatria e os que resolveram seguir a DEUS saíram de lá; hoje, com a idolatria reinante em seu meio duvido que recebam esse maravilhoso conhecimento, a não ser que se arrependam de seus pecados e se convertam ao único DEUS e ao único salvador, JESUS CRISTO. Muitos deles se dizem batizados, mas é pura imitação, ensinam a falar em línguas.
    É interessante notar que um desviado que já foi Batizado no ESPÍRITO SANTO, quando vai à Igreja e resolve voltar para a comunhão com os irmãos e com DEUS através de um legítimo arrependimento, volta a falar em línguas imediatamente, pois o perdão e a misericórdia de DEUS são dados sem merecimento, mas pela fé; o ESPÍRITO SANTO não sai do crente que peca, fica esperando e tentando uma nova oportunidade naquela vida.
 
 
 Jd 1.20 = Mas vós, amados, edificando-vos sobre a vossa santíssima fé, orando no ESPÍRITO SANTO.
 
    *** 1- Falar Em Línguas:
    É realmente complicado convencer alguém que orar no ESPÍRITO SANTO significa orar em línguas, pois temos que "respeitar" ou talvez o termo seja "temer" os que não são batizados no ESPÍRITO SANTO, apesar de pertencerem a uma Igreja Evangélica, tradicionalmente pentecostal.
    Vemos a respeito da necessidade de ser batizado no ESPÍRITO SANTO quando os Apóstolos  enviaram uma comitiva de irmãos a Samaria, onde Filipe pregava o evangelho e multidões se convertiam pelo poder dos sinais que fazia, porém ainda não eram batizados no ESPÍRITO SANTO. (At 8.13-17)
    Como uma Igreja pode crescer qualitativamente e não só quantitativamente, se seus membros não vêm a necessidade de serem cheios do ESPÍRITO SANTO e conseqüentemente do poder para testemunharem? (Lc 24.9; At 1.8)
 
a)- Língua para oração: 
    "Porque se eu orar em língua, o meu espírito ORA BEM, mas o meu entendimento fica infrutífero."(I Co 14:14). Você quer orar bem? Veja também em Rm 8.26 que não sabemos pedir como convém, mas o ESPÍRITO SANTO sabe o que precisamos e ELE sabe pedir.  
 
 b)- Fala com Deus:
     "Porque o que fala em língua não fala aos homens, mas a Deus; pois ninguém o entende; porque em espírito fala mistérios."(I Co 14:2). Por isso é tão combatido o falar em línguas, pois nem Satanás entende.  
 
  c)- Edificação própria:
     "O que fala em língua edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja."(I Co 14:4)
    Você quer ser edificado? "Mas vós, amados, edificando-vos sobre a vossa santíssima fé,  orando no ESPÍRITO SANTO," Jd.20 (orar no ESPÍRITO, não quer dizer orar em pensamento e sim falando em línguas.
 
  d)- Falar muito em línguas, muitas horas de edificação: 
    1 Co 14.18 Dou graças a Deus, que falo em línguas mais do que vós todos.
                                               
        *** 2- Profecia:
 
a)- Fala aos homens:
    1 Co 14.3 Mas o que profetiza fala aos homens para edificação, exortação e consolação.
 
A profecia é o Don mais combatido por todos, inclusive por Satanás que deseja confundir a Igreja e atrapalhar os planos de DEUS para nós.
 
A profecia pode vir de três pessoas distintas e através de uma mesma pessoa em uma só manifestação:
1- Do Homem = Alguém fala o que já conhece a respeito da pessoa ou pessoas a que se dirige.
 
2- De Satanás = Uma mensagem de confusão e muitas vezes de mentiras e distorções da palavra de DEUS.
 
3- De DEUS = Mensagem de DEUS para a Igreja ou para uma determinada pessoa que tem tres  fins:
3.1- Edificação = Fazer com que siga fazendo a Obra de DEUS.
3.2- Exortação = Fazer com que desperte e anime para fazer a Obra de DEUS.
3.3- Consolação = Fazer com que a tristeza não abata a pessoa, porque DEUS está presente e assistindo e ajudando em tudo.
A profecia não tem elemento préditivo, ou seja, não tem a função de dizer o futuro. Vide Dons 
 
b)- Línguas + Interpretação = Profecia
    1 Co 14.5 Ora, quero que todos vós faleis em línguas, mas muito mais que profetizeis, pois quem profetiza é maior do que aquele que fala em línguas, a não ser que também interprete para que a igreja receba edificação. 4 Tipos de línguas são faladas.
Vide  Dons
 
   *** 3- Refrigério e Descanso:
    Is 28.11 Na verdade por lábios estranhos e por outra língua falará a este povo; 12 ao qual disse: Este é o descanso, dai descanso ao cansado; e este é o refrigério; mas não quiseram ouvir. Traz uma paz e um descanso incríveis quando nos dispomos a orar em línguas, é como se os problemas não existissem quando nos levantamos da oração.
 
   *** 4- Interceder:
    O ESPÍRITO SANTO É NOSSO INTERCESSOR NA TERRA: (Rm 8.26,27)
    E da mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraquezas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis. E aquele que examina os corações sabe qual é a intenção do Espírito; e é ele que segundo Deus intercede pelos santos.
Definição de Intercessão:
    Interceder é colocar-se no lugar de outro e pleitear a sua causa, como se fora sua própria. É estar entre Deus e os homens, a favor destes, tomando seu lugar e sentindo sua necessidade de tal maneira que luta em oração até a vitória na vida daquele por quem intercede.
 
 
 Questionário da Lição 6-ESPÍRITO SANTO-Línguas Estranhas como evidência inicial do batismo c/o ESPÍRITO SANTO
Ev.Luiz Henrique - www.henriqueestudos.cjb.net 
 
Texto Áureo:
1- O que aconteceu quando os discípulos foram cheios do ESPÍRITO SANTO?
(     ) Falaram em Hebraico     (     ) Falaram em línguas      (     ) Apenas se alegraram
Verdade Prática:
2- Qual a evidência que DEUS nos dá quando um crente é batizado com o ESPÍRITO SANTO?
(     ) O crente fica alegre     (     ) O crente chora muito     (     ) O crente fala em línguas
INTRODUÇÃO3- O Falar em Línguas foi um fato isolado que aconteceu somente no dia do Pentecostes?
(     ) Sim     (     ) Não     (     ) Só aconteceu mais uma vez     (    ) Só aconteceu mais três vezes
I. FALAR EM OUTRAS LÍNGUAS É SEMPRE A EVIDÊNCIA INICIAL DO BATISMO COM O ESPÍRITO SANTOTópico I
4- O que acontece quando alguém é batizado com o ESPÍRITO SANTO, mas não é evidência do batismo?
(     ) Alegria, Amor, Maior compreenção da Palavra de DEUS e Zelo para ganhar almas para JESUS
(     ) Fala em línguas, Coragem, Menor compreenção da Palavra de DEUS e Zelo para ganhar almas para JESUS
(     ) Alegria, Amor, Abandono do estudo da Palavra de DEUS e Zelo para ganhar almas para JESUS
 
5- Ligue a primeira coluna de acordo com a segunda, explicando o que acontece com crentes, mas que não prova que ele é batizado com o ESPÍRITO SANTO:
Alegria,                                                                            Não teria sido uma novidade, porque eles vinham se dedicando
Amor,                                                                             "Abriu-lhes o entendimento para compreenderem as Escrituras"
Maior compreenção da Palavra de DEUS                        Já haviam sentido antes e depois do Pentecostes redobrou
Zelo para ganhar almas para JESUS                                 Os discípulos disseram que eram capazes de dar a sua vida por JESUS
 
II. REGISTROS NO LIVRO DE ATOSTópico II
6- Cite quatro Ocasiões em que vimos na Bíblia o falar em línguas como evidência do batismo com o ESPÍRITO SANTO: Coloque "V"PAra Verdadeiro e "F" para Falso:
(     ) Em Samaria     (     ) Em Tarso     (     ) Em Éfeso     (     ) Na casa de Cornélio    (     ) Em Jope     (     ) Com Saulo, em Damasco
7- O que o ex-mágico Simão viu e ouviu em Samaria, quando os apóstolos impuseram as mãos sobre os novos convertidos, que o levou a desejar comprar aquilo?
(     ) Muita riqueza     (     ) Alguns truques de mágica     (     ) O Falar em Línguas     (     ) Alguns livros de mágica
8- Quem impôs as mãos sobre Paulo para que recebesse o batismo com o ESPÍRITO SANTO?
(    ) Ananias     (    ) Pedro     (     ) Tiago     (     ) João     (     ) Barnabé
9- Por que os judeus de Jope, que acompanhavam Pedro, souberam que Cornélio e seus familiares e amigos receberam o batismo com o ESPÍRITO SANTO?
(     ) Porque estavam alegres     (     ) Porque estavam glorificando a DEUS     (     ) Porque os ouviam falar em línguas
10- Como ficaram os judeus de Jope, que acompanhavam Pedro, quando viram que Cornélio e seus familiares e amigos receberam o batismo com o ESPÍRITO SANTO e falaram em línguas?
(     ) Assustados     (     ) Maravilhados     (     ) Estarrecidos     (    ) Com ódio
11- Que tipo de padrão bíblico aconteceu em éfeso, quanto ao batismo com o ESPÍRITO SANTO?
(     ) Foram cheios do ESPÍRITO SANTO e falaram em línguas     (     ) Falaram em línguas e depois foram cheios do ESPÍRITO SANTO
III. QUAL A FINALIDADE DAS LÍNGUAS ESTRANHAS?Tópico III
12- A quem é dirigida a linguagem que falamos quando somos batizados com o ESPÍRITO SANTO?
(     ) Aos homens    (    ) A DEUS    (     ) Ao Diabo     (     ) Aos Anjos
13- O que o ESPÍRITO SANTO faz quando oramos, pois não sabemos pedir como nos convém?
(     ) Ajuda nossas fraquezas     (     ) Arruma nossa oração     (     ) Intercede por nós     (     ) Todas estão erradas     (     ) Todas estão corretas
14- O que acontece com quem ora em línguas?
(      ) Não aproveita nada dessa oração     (     ) Está perdendo tempo     (     ) Edifica-se a si mesmo
15- Quem nos concede o batismo com o ESPÍRITO SANTO, quem é o batizador com o ESPÍRITO SANTO?
(     ) DEUS PAI     (     ) O ESPÍRITO SANTO     (     ) JESUS
CONCLUSÃO
16- Qual o grande e principal objetivo do batismo com ESPÍRITO SANTO?
(     ) Ensinar o crente a falar em línguas      (     ) Poder para testemunhar do Senhor    (     ) Colocar em evidência alguns crentes
 
 
Estudo 1 - O FALAR EM LÍNGUAS - BEP - www.cpad.com.br 
At 2.4 “E todos foram cheios do ESPÍRITO SANTO e começaram a falar em outras línguas, conforme o ESPÍRITO SANTO lhes concedia que falassem.”
    O falar noutras línguas, ou a glossolália (gr. glossais lalo), era e é entre os crentes do NT, um sinal da parte de Deus para evidenciar o batismo no ESPÍRITO SANTO (ver 2.4; 10.45-47; 19.6). Esse padrão bíblico para o viver na plenitude do Espírito continua o mesmo para os dias de hoje.

Estudo 2- O VERDADEIRO FALAR EM LÍNGUAS.
(1) As línguas como manifestação do Espírito. Falar noutras línguas é uma manifestação sobrenatural do ESPÍRITO SANTO, i.e., uma expressão vocal inspirada pelo Espírito, mediante a qual o crente fala numa língua (gr. glossa) que nunca aprendeu (2.4; 1Co 14.14,15). Estas línguas podem ser humanas, i.e., atualmente faladas (2.6), ou desconhecidas na terra (cf. 1Co 13.1). Não é “fala extática”, como algumas traduções afirmam, pois a Bíblia nunca se refere à “expressão vocal extática” para referir-se ao falar noutras línguas pelo Espírito.
(2) Línguas como sinal externo inicial do batismo no ESPÍRITO SANTO. Falar noutras línguas é uma expressão verbal inspirada, mediante a qual o espírito do crente e o ESPÍRITO SANTO se unem no louvor e/ou profecia. Desde o início, Deus vinculou o falar noutras línguas ao batismo no ESPÍRITO SANTO (2.4), de modo que os primeiros 120 crentes no dia do Pentecoste, e os demais batizados a partir de então, tivessem uma confirmação física de que realmente receberam o batismo no ESPÍRITO SANTO (cf. 10.45,46). Desse modo, essa experiência podia ser comprovada quanto a tempo e local de recebimento. No decurso da história da igreja, sempre que as línguas como sinal foram rejeitadas, ou ignoradas, a verdade e a experiência do Pentecoste foram distorcidas, ou totalmente suprimidas.
(3) As línguas como dom. Falar noutras línguas também é descrito como um dos dons concedidos ao crente pelo ESPÍRITO SANTO (1Co 12.4-10). Este dom tem dois propósitos principais: (a) O falar noutras línguas seguido de interpretação, também pelo Espírito, em culto público, como mensagem verbal à congregação para sua edificação espiritual (1Co 14.5,6,13-17). (b) O falar noutras línguas pelo crente para dirigir-se a Deus nas suas devoções particulares e, deste modo, edificar sua vida espiritual (1Co 14.4). Significa falar ao nível do espírito (14.2,14), com o propósito de orar (14.2,14,15,28), dar graças (14.16,17) ou cantar (14.15; ver 1Co 14)..

Estudo 3- OUTRAS LÍNGUAS, PORÉM FALSAS.
O simples fato de alguém falar “noutras línguas”, ou exercitar outra manifestação sobrenatural não é evidência irrefutável da obra e da presença do ESPÍRITO SANTO. O ser humano pode imitar as línguas estranhas como o fazem os demônios. A Bíblia nos adverte a não crermos em todo espírito, e averiguarmos se nossas experiências espirituais procedem realmente de Deus (ver 1Jo 4.1).
(1) Somente devemos aceitar as línguas se elas procederem do ESPÍRITO SANTO, como em 2.4. Esse fenômeno, segundo o livro de Atos, deve ser espontâneo e resultado do derramamento inicial do ESPÍRITO SANTO. Não é algo aprendido, nem ensinado, como por exemplo instruir crentes a pronunciar sílabas sem nexo.
(2) O ESPÍRITO SANTO nos adverte claramente que nestes últimos dias surgirá apostasia dentro da igreja (1Tm 4.1,2); sinais e maravilhas operados por Satanás (Mt 7.22,23; cf. 2Ts 2.9) e obreiros fraudulentos que fingem ser servos de Deus (2Pe 2.1,2).
(3) Se alguém afirma que fala noutras línguas, mas não é dedicado a Jesus Cristo, nem aceita a autoridade das Escrituras, nem obedece à Palavra de Deus, qualquer manifestação sobrenatural que nele ocorra não provém do ESPÍRITO SANTO (1 Jo 3.6-10; 4.1-3; cf. Gl 1.9; Mt 24.11-24, Jo 8.31).

Estudo 4- PROVAS DO GENUÍNO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO

 At 10.44,45 “E, dizendo Pedro ainda estas palavras, caiu o ESPÍRITO SANTO sobre todos os que ouviam a palavra. E os fiéis que eram da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do ESPÍRITO SANTO se derramasse também sobre os gentios.”
As Escrituras ensinam que o crente deve examinar e provar tudo o que se apresenta como sendo da parte de Deus (1Ts 5.21; cf. 1Co 14.29). “Amados, não creiais em todo espírito, mas provai se os espíritos são de Deus” (1Jo 4.1). Seguem-se alguns princípios bíblicos para provar ou testar se é de Deus um caso declarado de batismo no ESPÍRITO SANTO.
(1) O autêntico batismo no ESPÍRITO SANTO levará a pessoa a amar, exaltar e glorificar a Deus Pai e ao Senhor Jesus Cristo mais do que antes (ver Jo 16.13,14; At 2.11,36; 10.44-46).
(2) O verdadeiro batismo no ESPÍRITO SANTO aumentará a convicção da nossa filiação com o Pai celestial (1.4; Rm 8.15,16), levará a uma maior percepção da presença de Cristo em nossa vida diária (Jo 14.16, 23; 15.26) e aumentará o clamor da alma “Aba, Pai”! (Rm 8.15; Gl 4.6). Por sua vez, um batismo no ESPÍRITO SANTO que não leva a uma maior comunhão com Cristo e a uma mais intensa comunhão com Deus como nosso Pai não vem dEle.
(3) O real batismo no ESPÍRITO SANTO aumentará nosso amor e apreço pelas Escrituras. O Espírito da verdade (Jo 14.17), que inspirou as Escrituras (2Tm 3.16; 2Pe 1.20,21), aprofundará nosso amor à verdade da Palavra de Deus (Jo 16.13; At 2.42; 3.22; 1Jo 4.6). Por outro lado, qualquer suposto batismo no Espírito que diminui nosso interesse em ler a Palavra de Deus e cumpri-la, não provém de Deus.
(4) O real batismo no ESPÍRITO SANTO aprofundará nosso amor pelos demais seguidores de Cristo e a nossa preocupação pelo seu bem-estar (2.38, 44-46; 4.32-35). A comunhão e fraternidade cristãs, de que nos fala a Bíblia, somente podem existir através do Espírito (2Co 13.13).
(5) O genuíno batismo no ESPÍRITO SANTO deve ser precedido de abandono do pecado e de completa obediência a Cristo (2.38). Ele será conservado quando continuamos na santificação do ESPÍRITO SANTO (2.40; 2Ts 2.13; Rm 8.13; Gl 5.16,17). Daí, qualquer suposto batismo, em que a pessoa não foi liberta do pecado, continuando a viver segundo a vontade da carne, não pode ser atribuído ao ESPÍRITO SANTO (2.40; 8.18-21; Rm 8.2-9). Qualquer poder sobrenatural manifesto em tal pessoa trata-se de atividade enganadora de Satanás (cf. Sl 5.4,5).
(6) O real batismo no ESPÍRITO SANTO fará aumentar o nosso repúdio às diversões pecaminosas e prazeres ímpios deste mundo, refreando-nos a busca egoísta de riquezas e honrarias terrenas (20.33; 1Co 2.12; Rm 12.16; Pv 11.28).
(7) O genuíno batismo no ESPÍRITO SANTO nos trará mais desejo e poder para testemunhar da obra redentora do Senhor Jesus Cristo (ver Lc 4.18; At 1.8; 2.38-41; 4.8-20; Rm 9.1-3; 10.1). Inversamente, qualquer suposto batismo no Espírito que não resulte num desejo mais intenso de ver os outros salvos por Cristo, não provém de Deus (ver 4.20).
(8) O genuíno batismo no ESPÍRITO SANTO deve despertar em nós o desejo de uma maior operação sua no reino de Deus, e também uma maior operação de seus dons em nossa vida. As línguas como evidência inicial do batismo devem motivar o crente a permanecer na esfera dos dons espirituais (2.4, 11, 43; 4.30; 5.12-16; 6.8; 8.7; Gl 3.5).
(9) O autêntico batismo no ESPÍRITO SANTO tornará mais real a obra, a direção e a presença do ESPÍRITO SANTO em nossa vida diária. Depois de batizados no ESPÍRITO SANTO, os crentes de Atos tornaram-se mais cônscios da presença, poder e direção do ESPÍRITO SANTO (4.31; 6.5; 9.31; 10.19; 13.2, 4, 52; 15.28; 16.6,7; 20.23). Inversamente, qualquer suposto batismo no ESPÍRITO SANTO que não aumentar a nossa consciência da presença do ESPÍRITO SANTO, nem aumentar o nosso desejo de obedecer à sua orientação, nem reafirmar o nosso alvo de viver diante dEle de tal maneira a não entristecê-lo nem suprimir o seu fervor, não provém de Deus.
 
 
Ajuda de BEP e revista da www.cpad.com.br 
 

caixinha de promessas

.

.

12

https://documentcloud.adobe.com/link/track?uri=urn%3Aaaid%3Ascds%3AUS%3A124ad6b5-a4ce-48f4-a584-706c468b0800